domingo, 15 de julho de 2012

Infância perdida - O mundo geme e pranteia



"Mantenho acesa a chama de um reencontro único,
mesmo sem saber o dia, a hora em que ele possa acontecer.”
Ivanise Esperidião da Silva, presidenta da ONG Mães da Sé

Wilma Rejane

O que uma criança representa para a humanidade? Esperança, pureza, alegria, frutos, amor, perfeição, futuro, presente, passado...a grandiosidade de uma criança pode nos abrir a imaginação e a realidade para um acervo imensurável de coisas que não estão à venda porque são inegociáveis de tão valorosas! Mas o mundo declina em valores e uma das causas pelo qual o mundo padece é a violação dos direitos e deveres da infância. Por todos os dias e em todos os lugares do universo é possível ouvir o grito dos inocentes: abafado, contido, silencioso.

O relatório Final da CPI do desaparecimento de crianças e adolescentes realizado sob a direção da Deputada Andreia Zito se transformou em referência numérica quando o assunto é maus tratos infantis, mais que isso, o relatório aponta para a gravidade dos problemas atravessados na infância. Cerca de 1, 2 milhões de crianças e adolescentes do mundo são vítimas de tráfico humano. Só no Brasil, todos os anos, 50.000 crianças desparecem. O Estado de São Paulo registra 25% dos casos, Rio de Janeiro e a região Nordeste também apresentam índices altos de desaparecimento de crianças. Pedofilia, maus tratos, negligência na guarda, rituais satânicos e tráfico humano são alguns dos motivos que engrossam as estatísticas policiais em relação a vida e morte de crianças.

Agora mesmo, em algum lugar do mundo crianças estão sendo vitimas de violência. O que fazer quando os principais responsáveis pela proteção dessas vidas são justamente seus agressores? Recordo-me da passagem Bíblica no livro de Juízes: “ E foi também congregada toda aquela geração a seus pais, e outra geração após ela se levantou, que não conhecia ao Senhor, nem tampouco a obra que fizera a Israel. Então fizeram os filhos de Israel o que era mau aos olhos do Senhor e serviram aos baalins” Jz 2:10_11. E assim acontece em nossos dias, se a geração de pais não tem conhecimento de Deus, nem procura agradá-Lo com a prática da justiça e do bem, como exigir isso de seus filhos? Sob essa sentença caminha triste a humanidade, carregando sob os ombros seus pecados multiplicados.

Esse vídeo que vos apresento foi divulgado recentemente, porém trata de um assunto milenar que é o sofrimento das crianças africanas acusadas de bruxaria. Fui às lágrimas ao ver os frágeis corpos serem queimados com cera quente, o olhar perdido dos pequeninos em busca de uma explicação para o que estão vivendo. Esse relato representa parte do sofrimento causado pelo desconhecimento da bondade e misericórdia Divina. Não é Deus o culpado por tamanha atrocidade cometida contra a infância, é o coração corrompido do homem sem Deus que busca satisfazer seus interesses mercantilistas e de outras ordens. Tudo o que o homem semear, isso também ceifará” Gl 6.7. Planta-se rebelião e colhe-se sofrimento.

O caminho de volta a dignidade da infância se faz no reencontro - citação inicial do artigo- entre pais e filhos entre espírito e Criador em um real cumprimento das palavras do profeta Malaquias: " E Jesus converterá o coração dos pais aos filhos e dos filhos a seus pais para que eu (Deus) não venha e fira a terra com maldição" Ml 4:6. Por essa causa é que ainda resta esperança.
Postar um comentário