sexta-feira, 20 de julho de 2012

O Cristão e as Enfermidades



O Cristão e as Enfermidades

É verdade que Jesus “tomou sobre Si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre Si” (Isaías 53.4; Mateus 8.16-17). É verdade que Ele priorizou em seu ministério a cura de todos os tipos de doenças, pois veio para “pôr em liberdade os cativos” (Lucas 4.18); que enviou seus discípulos “a todas as cidades e lugares aonde Ele havia de ir”, para “curar os enfermos que nela houver” (Lucas 10.1,9). Também é fato que a sua Igreja, em nome dEle, tem dado prosseguimento a esse ministério de cura (Marcos 16.17-18).

Todavia, sabemos que nem todos os cristãos são curados. Muitos são curados tão logo aceitam o senhorio de Jesus, porém muitos continuam com suas enfermidades: o cego continua cego; o mudo continua mudo; o surdo continua surdo; o paralítico continua paralítico. Muitos são imediatamente curados após receberem a imposição de mãos e a oração feita em nome de Jesus, conforme diz a Palavra, porém nem todos são curados. Isso é uma verdade. E a verdade precisa ser dita em sua totalidade, ainda que no seu bojo haja alguma coisa que contrarie a vontade do homem. Se a oração eficaz de um justo e a imposição de mãos curassem todos os enfermos, automaticamente, os hospitais ficariam vazios. Não precisariam que os doentes se deslocassem até a Igreja mais próxima. Os ministros do evangelho iriam ao encontro deles nos hospitais.

Uma das provas de que há muitos cristãos enfermos é o grande número dos que vão às igrejas para serem curados. Todos os dias pastores, bispos e crentes outros oram por irmãos acometidos de diversas doenças. Homens e mulheres, verdadeiros servos do Senhor, adoecem e morrem. Qualquer cristão pode comprovar isso no meio de sua família, ou até mesmo na sua Igreja. Às vezes é o próprio pastor que é vitimado por algum tipo de enfermidade. Ou então podemos visitar os grandes hospitais e verificar o número de cristãos recebendo tratamento. Vejamos os exemplos de alguns “heróis da fé”.

Jônatas Edwards (1703-1758). Costumava passar treze horas, todos os dias, estudando e orando. Foi o instrumento usado por Deus para o surgimento de um dos maiores avivamentos na Nova Inglaterra, em 1740, por obra do Espírito Santo. Esse herói da fé contraiu varíola e morreu aos 55 anos.

Davi Brainerd (1718-1747), homem de Deus, escreveu em seu diário: “Passei duas horas agonizando pelas almas imortais. Apesar de ser ainda muito cedo, meu corpo estava molhado de suor... Se eu tivesse mil vidas, a minha alma a teria dado pelo gozo de estar com Cristo...” Brainerd faleceu de tuberculose aos 29 anos, após sofrer inumeráveis aflições e dores incessantes no corpo.

Henrique Martyn (1781-1812). Padeceu por muito tempo de febre intermitente, resultado da “peste branca que ardia no seu peito”. Faleceu aos 31 anos.

E os exemplos da Bíblia? Timóteo, discípulo do apóstolo Paulo, sofria de “freqüentes enfermidades” (1 Tm 5.23). Epafrodito, irmão e cooperador do apóstolo, quase morreu em decorrência de uma doença (Fp 2.27). Um dos maiores atestados de que crente adoece está no livro de Tiago, uma epístola para encorajar os crentes judeus que enfrentavam várias provações. E ele recomenda que os crentes enfermos deverão solicitar ajuda “presbíteros da Igreja”, “e orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o [irmão] doente” (Tiago 5.14-15). É o que se faz todos os dias.

Mas, se Jesus já levou nossas enfermidades, como podemos explicar? Por que adoecemos se já somos filhos de Deus e a Palavra diz que Ele levou sobre Si nossas dores? A questão esbarra na soberana vontade Deus. Ele cura quem quer, quando quer, onde e como quer. A cura pode ser imediata ou dentro de determinado período. Ou poderá nunca ocorrer. E em tudo devemos nos alegrar sempre e dar graças a Deus (1 Ts 5.16,18). Afinal de contas, Ele é o nosso Senhor, o autor da vida e da morte: “Eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro” (Dt 32.39).

Que devemos fazer? Esperar e confiar no Senhor. Ele sabe se devemos continuar por mais algum tempo aqui na terra, ou se devemos seguir logo para o céu. Ele poderá atender aos nossos pedidos. A oração move o coração de Deus (Sl 37.3-5).



Autor: Pr. Airton Evangelista da Costa
Divulgação: EstudosGospel.Com.BR



Postar um comentário