sábado, 28 de julho de 2012

Jesus disse: poucos serão salvos



Por caminho, entenda-se modo de viver.

"Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem" - Mateus 7.14.

"Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso"- Apocalipse 3.4.

Por essas afirmações de Jesus Cristo, entendemos que realmente são poucas almas que acertam suas escolhas quanto ao caminho estreito, que conduz à salvação. Na cidade de Sardes, a maioria das pessoas que se diziam cristãos eram frequentadores do templo mas as vestiduras delas estavam contaminas com as manchas do pecado.

Parecido com os dias do passado, hoje em dia também encontramos muita gente confundindo o termo santidade (que significa "separação do pecado") e pecado (quer dizer "erro").

Seguir a Jesus Cristo é fazer o que Ele mandou. Quem não faz, peca. Então, erra o caminho estreito e mancha as suas vestes espirituais cometendo ações erradas.

Sobre esse erro, lembro-me que muitos anos atrás eu assisti uma reportagem sobre turistas no Rio de Janeiro. Naquela época, traficantes dominavam áreas de morro, exigiam permissão para entrar em determinados lugares. Desavisados ou descrentes do perigo iminente que havia, os estrangeiros subiram o morro e o carro deles foi alvejado com muitos tiros e morreram. Existe muitos cristãos agindo parecidos, não se dão conta dos alertas das Escrituras e caminham em direção ao inimigo, dão lugar a ele, quando deveriam fugir em direção contrária (Efésios 4.7; 1 Tessalonicenses 5.22).

Qual é o caminho estreito para eu andar?

• Entender que precisamos estar de acordo com a Lei de Cristo (1 Corintios 9.21; Gálatas 6.2);

• É chamar Jesus Cristo de Senhor e realmente viver como servo dEle (Mateus 7.21-22; Lucas 6.46);

• É obedecer a ordem de Jesus Cristo: Amar a Deus de todo o coração, alma e entendimento e amar ao próximo como a você mesmo (Mateus 22.37; João 15.4; 15.14, 17; 1 João 4.7, 12, 21);

• É amar quem se comporta como seu inimigo, é fazer o bem para quem te faz mal, é falar bem de quem é maldizente contra você (Mateus 5.44; Lucas 6. 27, 35).

• É entender que os verdadeiros inimigos do ser humano não têm sangue e nem carne, são agentes espirituais da maldade em lugares espirituais. É escolher nunca usar as estratégias malignas contra o próximo, pois o próximo é imagem e semelhança de Deus, assim como nós somos (Efésios 6.12; Gênesis 1.26).

Diante dessas referências bíblicas, estudemos os textos sagrados dentro deste assunto e ponderemos sobre nossa maneira de ser um cristão. Caminhamos pela estrada larga e espaçosa ou pelo caminho estreito? Estamos dando mais valor para a placa denominacional pendurada na fachada do templo ou valorizamos o mandamento de Cristo? Estamos destacando mais a liturgia das reuniões no templo ou estamos fazendo de nossas vidas um culto racional a Deus?

Os cristãos da Igreja Primitiva demonstraram não estar desatentos, e disseram: "Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens" - Atos 5.29.

Infelizmente, constato que muitos cristãos parecem dispostos a desobedecer ao que Cristo mandou. Demonstram grande interesse em prestigiar a liturgia das reuniões religiosas que participam e por conta disso desobedecem ao mandamento do amor ao próximo. Defendem a denominação evangélica que frequentam demonstrando estimar mais as regras da instituição religiosa do que estimam a Palavra de Deus. Aparentemente, não se importam em agir diferente do que Jesus mandou.

E.A.G.


Eliseu Antonio Gomes, Belverede - 
http://belverede.blogspot.com.br

Postar um comentário