segunda-feira, 25 de junho de 2012

Absalão! Absalão meu filho! Meu filho Absalão!


Absalão!
Absalão meu filho!
Meu Filho Absalão!
Absalão era filho de Davi, um jovem formoso em sua beleza exterior (2 Sm 14.25), que todavia, a cada dia, revelava-se apodrecido em seu caráter e aspirações.
A história de Absalão não é bonita.
Embora filho do rei, ele teve a sua existência marcada por inúmeros pecados até a sua trágica morte.
O caráter de Absalão não é diferente do de muitos personagens contemporâneos de nossa realidade política e até eclesiástica.
Sua ambição pelo poder, conjugada com outros pecados atrozes, revela uma pseudo “esperteza e astúcia” de uma vida de engano, egoísmo e falta d correção familiar.
Absalão foi um jovem tresloucado pelo poder e na sua ambição formou um exército para usá-lo nessa finalidade.
Vejamos o exército liderado por Absalão:
FORMADO POR DESCONTENTES DO REINO (2 Sm 15.2-6)
O exército de Absalão começou a ser formado das lamúrias e reclamações de pessoas comuns.
Ele astutamente “furtava” (v.6) o coração do povo com palavras de correção, integridade e justiça.
Todavia, seu intento nunca foi este.
Seu intento era chegar ao trono de Davi seu pai.
A intenção de Absalão era o motim e para tanto, semeava intrigas, discórdias entre pessoas simples que só desejavam resolver seus problemas.
Judas em sua epístola alerta para o fato de que as Igrejas estão muitas vezes, suscetíveis a pessoas sórdidas como o Absalão do passado.
Judas caracteriza tais pessoas dizendo que elas são:
“Os tais são murmuradores, são descontentes, andando segundo as suas ímpias paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias; são aduladores dos outros, por motivos interesseiros” (Jd 16).
João afirma que os que a tais pessoas se associam – “tornam-se cúmplices de suas obras más” (2 Jo 9-11).
Para Paulo, há de se fazer um alerta quanto a tais pessoas: “Rogo-vos, irmãos, que noteis bem, aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes: afastai-vos deles” (Rm 16.17).
 ALIMENTADO PELA MENTIRA E DISSIMULAÇÃO (2 Sm 15.7-11)
Como poderia Absalão conspirar contra seu pai, sem ser descoberto?
Usava suas armas mais sórdidas: mentiras e dissimulação!
Com mentiras e dissimulação ele ajuntou uma tropa, fez posteriormente um exército, plantando malignamente o ódio, a murmuração e a maledicência nos corações.
Tais armas não foram apenas usadas por Absalão.
São em todo o tempo utensílios valiosíssimos nas mãos de Satanás e seus soldados na história da Igreja Cristã.
Todavia, apesar das Escrituras caracterizarem Satanás como sagaz, ele todavia, não é criativo.
Ele continua a usar os mesmos métodos dissimulados, a enredar corações incautos, a plantar informações mentirosas nas casas e a formar um exército de interesses ímpios.
COROADO PELA DESTRUIÇÃO
Qual a coroa deste exército?
A glória deste exército pode ser vista na fuga de Davi, na destruição do reino, no fato de Absalão ter coabitado com as concubinas de seu pai.
Tempos depois, após tantos pecados, Davi reconquista Jerusalém e Absalão morre na batalha.
A derrota deste exército revela, ainda que, alegoricamente, que o mal jamais permanecerá intocável no arraial do povo de Deus.
Que aqueles que militam na mentira, usando de falsidade e dissimulação, mais cedo ou mais tarde se encontrarão com o que plantaram...
A própria destruição!
Ainda que os atuais “absalões” não sejam tão formosos fisicamente como no passado, são, todavia, tão perniciosos a saúde da fé, tão provocadores de destruição como o filho do Rei Davi!


Fonte:http://prdanielsalesacioli.blogspot.com.br
Postar um comentário