quarta-feira, 20 de junho de 2012

Voando como as águias



Logo que me converti em novembro de 1974 ouvi o pastor João Portes dos Reis pregando e no seu sermão ele contou uma ilustração no mínimo interessante. 

 Era acerca de um ovo de águia que foi chocado em um ninho errado, por uma galinha. Passado o tempo, nasceram os pintainhos e entre eles um filhote desengonçado. Tinha dificuldade no decorrer dos dias de ciscar os bichinhos, minhocas, lesmas e outros insetos. Ele parecia não se adaptar com o cardápio, águia não come lesmas e minhocas. Com persistência a galinha mãe conduzia o estranho filhote e ele foi crescendo. 

Um dia, já bastante empenado, depois de tentativas diversas de alçar voo, ele ouve a águia mãe dar um forte pio chamando-o e então por causa daquela voz tão cativante ele empreende seu primeiro voo e vai encontrar se com a verdadeira mãe, que o conduz aos picos das montanhas e rochedos, seu habitat natural.

É uma ilustração, mas cheio de verdades e me faz pensar muito neste período de 2012 que ainda temos pela frente.  Não somos galinhas, não nascemos para voos baixos, não nascemos para comer qualquer comida. Somos como águias porque somos esperançosos no Senhor e como tais somos renovados em nossas forças.(Is 40.31)

Há um texto do evangelista João que me chama muito atenção:
“E entretanto os seus discípulos lhe rogaram, dizendo: Rabi, come.Ele, porém, lhes disse: Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis. 

Então os discípulos diziam uns aos outros: Trouxe-lhe, porventura, alguém algo de comer? Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra. Não dizeis vós que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que eu vos digo: Levantai os vossos olhos, e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa. E o que ceifa recebe galardão, e ajunta fruto para a vida eterna; para que, assim o que semeia como o que ceifa, ambos se regozijem. Porque nisto é verdadeiro o ditado, que um é o que semeia, e outro o que ceifa. Eu vos enviei a ceifar onde vós não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho." João 4:31-38

Alguém que pretenda voar nas asas do comissionamento de Jesus ganhando vidas para o Reino precisa primeiramente ser ousado ao ponto de alimentar-se da comida de Deus. O contexto do capítulo demonstra que os discípulos tinham ido a Sicar (lugar do encontro de Jesus com a samaritana)  em busca de alimentos para eles e também para Jesus, quando chegaram insistiram com Jesus: “Mestre, come! Mas a resposta de Jesus está envolta a um mistério: “Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis.” Jesus já estava alimentado, sem que ninguém tivesse lhe trazido comida. Os discípulos ainda insistiam numa questão:“ Trouxe-lhe, porventura, alguém de comer?”(vs.33).

Jesus se manifesta dizendo que Ele se alimenta quando estas coisas acontecem: a)Eu faço a vontade de Deus; ainda há pouco tinha estado  com uma pecadora; b)Eu realizo a obra de Deus: buscando e salvando o perdido. Jesus era a resposta para os perdidos. Alimentar-se da comida de Deus é se postar na condição de ser a resposta para este mundo sem esperança. “... e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” 1 Pedro 3:15

Outro fator preponderante para alçar este voo de alcance de almas é a ousadia de ver o mundo com a visão de Jesus. Por quê?  O cristianismo nasceu debaixo de um grande confronto com o mundo da sua época. Politicamente falando o nascimento deste novo Rei, chama para si a lealdade aos princípios de Deus. Em termos religiosos a velha aliança é agora trocada por uma aliança nova, melhor e mais abrangente, e economicamente tem uma base precípua do “buscai em primeiro lugar as coisas do reino de Deus”.

Com uma visão ampla do Cristo que surgia, sua prédica, logo recebeu o nome de cristianismo, desenvolvendo se entre muitas crises e lutas. Este mundo, dotado de toda maldade propugna-se a combater os valores proclamados por Jesus. Isto infere que na vida cristã existe uma forte tensão chamada dualidade, porque enquanto o cristão se declara não ser deste mundo e não ser participante das suas misérias, ele é incitado a pegar gosto pelo mundo.

Por isso, nós os herdeiros da fé precisamos ter a coragem, a ousadia de ver como Jesus vê quando olha para o mundo: “Levantai os vossos olhos”. Acostumamos com gatos pingados decidindo por Jesus, mas a visão Dele era: “Veja os campos”, isto é, todas as camadas sociais estão sedentas pela palavra. “Os campos estão brancos para a ceifa”, há fome do conhecimento de Deus. Por isso, em 2012 Deus está esperando gente disposta a ter a mesma visão de Jesus.

E finalmente, na ousadia de voar mais alto, é preciso gente laboriosa para pegar a foice na mão para a colheita. Infelizmente tem gente que pensa que cristianismo é uma religião contemplativa, de meditação e de concentração mental. Não, cristianismo é ação.  Ação de coragem, de ousadia e destemor. Hoje dia 25 de janeiro, enquanto estou escrevendo esta postagem, um exército do Bem está na capital levando a Palavra, mas também trabalhando na Cracolandia. Um exército de gente que não se importa de sangrar as mãos a serviço de Cristo. Jesus foi enfático: “Eu vos enviei para ceifa.” Urge que redescubramos esta verdade e missão nas nossas vidas.

Precisamos deixar de sermos cariolatras (adoradores de bênçãos). Quer benção maior do que ser designado pelo Cristo para ir ceifar? Pense comigo, há nexo, há lógica nesta designação de Cristo: “Se Ele nos enviou para ceifar, é porque a colheita é certa, pois ninguém enviaria os trabalhadores para ceifar o que não existe.”

Estamos vivendo o tempo da colheita e precisamos praticá-la com convicções de argumentos e dois deles se destacam para este tempo: a) foi Jesus é quem preparou os campos para a ceifa; b) A ceifa só pode ser realizada por quem obedece ao Senhor da Seara. Deus está procurando gente disposta neste tempo que se chama hoje para colocar as mãos na foice e realizar a grande colheita de vidas para Jesus.

Dê uma abertura de coração à operação divina neste ano de 2012 para ter uma renovação de forças a nível daquele primeiro amor da sua conversão, não deixe que os cuidados deste mundo façam dele apenas um sentimento. 

Una-se a uma igreja evangélica que busque os perdidos. 

O tempo é hoje, não fique sobrevoando apenas sobre o altar ou banco ou cadeira que ocupa num templo, alce voo mais alto, ouse voar mais alto e alcançar as almas para Cristo. 

Fonte:Blog: Pastor Vanelli


Postar um comentário