sábado, 17 de março de 2012

OS LÍDERES E A SÍNDROME DO SUPER HOMEM.

OS LÍDERES E A SÍNDROME DO SUPER HOMEM.:


Texto base: “E, CHAMANDO os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal.” (Mateus 10.1)

Às vezes me perguntava sobre a razão que levou Jesus a escolher discípulos para levar a sua mensagem, tendo em vista  que Ele é o próprio Deus (João 10:30). Acredito que hoje tenho uma resposta consistente, mas antes de dar esta resposta quero falar sobre outra coisa, a síndrome de super homem.

Imaginem que muitas pessoas que estão à frente de trabalhos na Igreja se consideram com super poderes, onde em suas mãos está a razão da existência do universo. Baseados no princípio esdrúxulo do “não toqueis no ungido do Senhor” (1 Crônicas 16:22), e de uma hermenêutica raquítica do mesmo versículo, aproveitam para dar vazão as suas ambições humanas de prepotência ditatorial.
Não percebem que a obra de Deus é de Deus e não de homens! Não é por ser o irmão Zé das quantas que Deus dará mais atenção, se o Senhor permitiu que você ocupe um cargo específico na obra de Deus é para que dê bons frutos e que estes frutos permaneçam, ou seja, produzam novos frutos (Mateus 7:17). De nada adiantará acreditar que a obra acontece por sua causa, mas uma vez eu repito meu irmão, Deus não precisa de você, você é que precisa de Deus!
Devemos aprender que Jesus nos ensinou amar nossos irmãos e respeitá-los. Se você está na condição de líder, aprenda uma coisa: no Reino de Deus aquele que deseja ser o maior será considerado o menor (Lucas 9:48). Precisamos uns dos outros, Paulo nos ensina que a Igreja de Cristo é um corpo, portanto não há parte mais importante que a outro (1 Coríntios 12:25), todos tem sua importância para o perfeito funcionamento do corpo (Igreja). Sendo assim, acredito que não somos super homens (mulheres) para suportamos tudo sozinho na Igreja. Muito menos somos dotados de super poderes para saber mais que todos, ou ainda sermos os donos da única verdade no meio do corpo de Cristo.

Por fim apresento a resposta sobre a escolha dos discípulos feita por Jesus. Poderíamos falar sobre diversos pontos teológicos a este respeito, mas uma simples resposta me basta: Jesus assim o fez para nos dar o exemplo de que precisamos uns dos outros e só assim a Igreja torna-se um corpo unido por e em Cristo!






Servindo em Cristo,

Jefferson Rodrigues
Postar um comentário