sábado, 3 de março de 2012

Subsídio para lição 10 - 04 de março de 2012.

Subsídio para lição 10 - 04 de março de 2012.:

"Então disse aos seus discípulos: "A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos" (Mt 9.37)








Jesus quase sempre fazia algumas viagens a pé em caminhos barrentos e ilamiados, dependendo da época do ano. Constantemente observamos na Bíblia ele fazendo percursos em meio a Galiléia. Nesse período ele percorria de lá, voltando geralmente por Cafarnaum, que na realidade era uma rota curta e corriqueira daquela época. O interessante disso tudo é que estas estradas eram de rotas internacionais e muitas pessoas percorriam por elas, inclusive muitos comerciantes transportavam suas mercadorias entre o Egito e o Eufrates, só posteriormente a morte e ressureição de Cristo é que o governo romano se prontificou e pavimentou algumas dessas estradas, para que o fluxo do comércio tivesse melhor qualidade e que as estradas se tornassem menos desconfortáveis.

Você pode estar se perguntando, Por que está se falando isso em relação a esse versículo? O que tem haver as estradas que Jesus andava com esse versículo? Calma chegaremos lá! Segundo o transcorrer do capítulo 9 de Mateus Jesus começa a passar pelas ruas e vilarejos, sinagogas, povoados e toda sorte de lugares desta região para ensinar o evangelho, pregar a salvação e praticar sinais, prodígios e maravilhas!
O primeiro ato registrado nesse pequeno resumo, desta curta viagem, Jesus cura um paralítico (vv.1-8), logo depois Chama Mateus para segui-lo, a partir daí Mateus relata os acontecimentos com propriedade, pois ele mesmo acabara de começar a seguir o mestre, ficando maravilhado por ver tantas maravilhas em sua primeira caminhada ao lado do Mestre dos mestres, depois ele mesmo relata a cura da mulher com hemorragia e o contexto desse fato mostra que havia uma multidão que os acompanhava (Jesus e os discípulos), mas mesmo assim a mulher chega por trás e o toca. Em seguida, é a vez da filha de Jairo ser ressuscitada. Logo depois, no caminho, dois cegos são abençoados com a cura e passam a enxergar, e um outro milagre registrado é a expulsão do demônio em um mudo que passa a falar.

Então Jesus volta a caminhar e começa a olhar as pessoas em volta dEle, muitos clamando por Ele, muitos enfermos e doentes, doenças das mais variadas formas, além disso entrava e ensinava em sinagogas sobre o reino dos Céus, falando sempre o seu discurso com certeza de amor, mas começa a reparar a adversidade vivida pelo povo, visualiza naqueles povoados, estradas e vilarejos muitas pessoas de várias nacionalidades e culturas diferentes, muitos enclausurados em pecados, doenças físicas e espirituais, sabia que aquele povo não precisa só de cura física, mas de uma transformação espiritual, só que como homem tinha limitações físicas e psicológicas, expressou então, o seu sentimento de compaixão pelo povo, como já disse, o povo clamava com olhares e expressões, como ovelhas que clamam por um pastor. Por isso na mais profunda necessidade e angústia expressa para os seus discípulos (não apóstolos, ou seja, todos que o acompanhavam), "A Seara é grande e poucos são os ceifeiros", mas quem irá cuidar da Seara? Complementa que eles deveriam orar para que Deus mandasse mais ceifeiros, oração profética que se cumpriria no pentecostes, onde ao invés de todos se juntarem e seguirem a Jesus, passaram a ter uma visão estratégica de evangelização, principalmente quando o Senhor transforma Paulo, mudando sua postura, o transformando em um autêntico cristão, que tinha acesso a todos os rincons do Império Romano.
Hoje não é diferente, a população do mundo tem cada vez mais se alastrado, crescido, cornubado e os ceifeiros tem diminuído. Por que preferimos ficar em casa assistindo uma TV? Ou olhando besteira na internet? Ou até lendo e procurando nada que edifique? e/ou até mesmo ficamos sem fazer nada, em nosso ócio alimentado pela preguiça? Jesus foi o maior exemplo de líder, mestre, senhor e evangelista, mesmo tendo o status de Deus, foi aos vilarejos, comunidades e lugares mais periféricos que possamos imaginar e não tinha medo, pelo contrário, via o lugar como um campo branco, pronto para a colheita.
Que possamos ter a visão do mestre e venhamos buscar as pessoas nos lugares mais adversos e inóspidos, como também em lugares muito movimentados e cheios de si e riqueza, porque não só os mais humildes necessitam do evangelho, mas também os mais abastados. Busque ser como o mestre foi, intrépido, ousado e revolucionário. No paradoxo Ele mostrava a sua glória!
Para continuar lendo clique aqui...
Postar um comentário