quinta-feira, 1 de março de 2012

Âncora da Alma


Âncora da Alma




 Wilma Rejane


"Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu, onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque." (Hebreus 6:18-20).


Âncora  é um instrumento náutico pesado, geralmente de metal que permite fazer presa em fundos rochosos, lodosos ou arenosos, fixando temporariamente os navios na posição desejada. Esse instrumento, representa  segurança,  porque  estabiliza embarcações em alto mar em tempos de tempestades. O verso de Hebreus nos diz que temos uma “âncora da alma” , ela se chama esperança, mas não é uma esperança vazia, ela está posta em Cristo Jesus. Isso não é confortante?

Essa metáfora Bíblica ensina a não nos desesperarmos nos dias difíceis, mas a crermos que somos sustentados e não iremos naufragar. O interessante é que para compreendermos bem o valor de uma âncora, é necessário enfrentarmos a tempestade, nela, mobilizamos nossa fé.  Essa metáfora do livro de Hebreus, encontra lugar também no Evangelho de Mateus.  Apóstolo Pedro ao avistar Jesus andar sobre as águas em forte tempestade, disse: “ Senhor, se és tu  manda-me ir ter contigo por sobre as águas e Jesus disse vem” Mt 14:28,29. Pedro deu alguns passos por cima da água, mas tão logo sentiu a força do vento e o agitar das águas teve medo e afundou. Jesus o segurou dizendo: por que duvidaste?

Quando a dúvida invade nosso coração, a esperança se vai, a âncora fica presa em mil voltas de cordas. Quando olhamos assustados para a tempestade, ela parece ser maior que tudo. Ela é como o gigante Golias, diante do pequeno Davi, esbravejando palavras de maldição: “vem a mim e darei a tua carne às aves do céu e as feras do campo “ II Sm 17:44. O uivo da tempestade tinha cheiro de morte, mas o pequeno Davi não duvidou, nem se intimidou. Ele não olhou para si mesmo, nem se assombrou com a “grandeza” de Golias. Ele usou a âncora da alma, Davi manteve firme a fé pelo que não naufragou: “Hoje mesmo o Senhor te entregara nas minhas mãos” I Sm 17:46

O mundo é esse mar revolto, esse gigante a nos afrontar e nós somos bem pequenos, é verdade. Se nos vestimos com o vento e nos cobrimos com a sombra do gigante, estaremos frustados e infelizes como quem apenas sobrevive esperando mudanças que nunca chegam. Mas se mantemos nosso coração firmado em Jesus, Ele nos sustenta, haja o que houver. Não é por nossa própria força, mas como disse o profeta Habacuque e Davi, o matador de gigantes: O Senhor é a nossa força. Habacuque 3:19.

Deus nos abençoe.
Postar um comentário