domingo, 10 de junho de 2012

A FINALIDADE DA INSTRUÇÃO


O maior erro está em não entender que, quando Senhor nos dá qualquer instrução, Ele o faz com um fim proveitoso. Ele jamais nos ensinaria algo sem propósito. Pode ser que, a princípio, não vejamos muita importância naquele ensinamento; contudo, ele pode nos ter sido revelado para uma aplicação no futuro.

 Não devemos descartar nada que o noso Pai nos transmita. Ele vê todas as coisas, e sabe de tudo. Como Pai que é, está ciente das nossas necessidades do momento, e das que viermos a ter; Ele nos abre o entendimento para que assumemos de pronto ou que guardemos a informação para usá-la posteriormente.

 OS OUVINTES E OS CUMPRIDORES Há pessoas que não dão muita importância aos recados do Senhor. Algumas chegam a recebê-los, mas os largam por qualquer motivo. Depois, quando a crise chega, elas se decepcionam com afalta de respostas às suas orações, ficam então a murmurar, dizendo que não entendem por que o Senhor não as cura, ou não lhes concede a bênção de que tanto necessitam.

 Contudo, outras se apegam à instrução e cumprem exatamente o que lhes é ministrado. Essas pessoas são conhecidas em todas as partes como aquelas que vencem batalhas, que jamais são derrotadas e que não aceitam, em hipótese alguma, as investidas do inimigo. Como se tornar assim tão forte e destemido? 

Basta viver meditando na Palavra do nosso Deus e ser obidiente ao que Ele nos manda fazer. Mitas pessoas, quando estão na igreja, ficam atentas ao que se está ensinando, enquanto o pastor está ministrando a Palavra. 
Depois, passam a meditar no que lhes foi dito, naquilo que sentiram no corãção; então vema instrução, elas a recebem e a praticam. 

Para estas pessoas, orar, buscar a Deus, lutar contra o mal nunca é demais. Você as vê falando de Jesus com um sorriso nos lábios. Elas são sempre positivas. 
Para tudo e em todas as ocasiões, elas têm lembrança de alguma declaração da Bíblia Sagrada. Enfrentam qualquer problema positivamente e, logicamente, saem vencedoras.

Existem, porém, aqueles indivíduos que são "parecidos" com as pessoas que obedecem. Eles se declaram filhos de Deus. Também são assíduos na igreja, assistem às mesmas reuniões, ouvem os mesmos sermões, recebem os mesmos ensinamentos e, aparentemente, meditam na Palavra e A praticam.

 Na verdade, alguns deles gostam até de comentar o que foi ministrado. Porém, passados alguns dias, se esquecem da pregação. O ensinamento que os fez sentirem-se vencedores desaparece do coração e, então, cheios de problema, começam a confessar o mesmo que sai da boca de quem não serve a Deus. Estas pessoas ainda não aprenderam o elementar. 
Elas não conhecem, e, se conhecem, não cumprem a advertência bíblica: E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganado-vos com falsos discursos.

Porque, se algém é ouvinte da palavra e não cumpridor, é semelhante ao varão que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque se contempla a si mesmo, e foi-se, e logo se esqueceu de como era. Tiago 1. 22-24 Tais pessoas estão diante da verdade inegável, a Palavra, a qual não oculta a beleza do ser, tampouco é compassiva com os seus defeitos? 
Exatamente como ocorre com o espelho, pois, ao nos mirarmos nele, vemos a realidade: formosuras e imperfeições. 

A Palavra traz o confronto entre o que somos e o que Deus deseja que sejamos, ela não oculta nada, não nos polpando dessa comparação. Como nos mostra o texto de Tiago, muitos apenas A contemplam (como a um espelho), mas logo se vão e já não mais se lembram de suas instruções. 

Miram a Palavra como se miram no espelho; olham os contornos, apenas a observam superficialmente, mas não guardam no fundo do coração aquela instrução que é vida para eles. Não A praticam, daí a instrução não frutificar.

Para exemplificar o que estou dizendo, pensemos em alguém que se intitula "praticante" da Palavra. Com a maior naturalidade, diz que é cristão (parecido com Cristo). Então, durante uma mensagem, escuta a revelação do Senhor sobre enviar presentes espirituais, e logo começa a mandá-los para alguém que o ofendeu.

De início, a coisa começa a funcionar. Vê algum sinal de melhora e começa a se alegrar com o Senhor e a louvá-Lo pelo caminho maravilhoso que já produz frutos. Mas a pessoa presenteada tem uma recaída, uma ação contrária, e volta a ofendê-lo. 
Então, o "espiritual" toma uma decisão e diz: "Eu vou constituir um advogado e vou processar esse infeliz por calúnia, difamação e injúria". 

Por essa atitude, ele demonstra que não se apegou à instrução e, por isso, ele deixa ao menor movimento do diabo. Tudo que ele havia feito anteriormente perde o valor. Ele enganou a si mesmo.
 O Senhor garante que a instrução é a nossa vida. Ela é mais do que uma jóia ou um tesouro. 

Use o seu coração como um cofre invioláel e, lá dentro, coloque a instrução que o Senhor lhe entregar. Não haverá ladrão nesse mundo físico, nem no espiritual, que conseguirá roubar aquilo que Deus lhe deu, se você o guardar em seu coração. O Senhor Deus, hoje, conclama Seu povo a que, de fato, ponha a semente na boa terra - guarde Sua Palavra no coração. Em Cristo, 


***Lucy***
Fonte:  
Postar um comentário