quinta-feira, 19 de abril de 2012

AOS OLHOS DO MUNDO


                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou terras, por amor de meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna.
  
Mateus 19.29
  
  
Todo trabalhador do campo tem anos ruins. Alguns o clima não ajuda - chove demais, faz seca, neva muito ou acontece alguma coisa que torna a colheita quase impossível. Nesses anos de poucos frutos, o agricultor sofre a agonia de ver os campos destruídos e seu coração chora a dor da incerteza.

Todo servo de Deus também enfrenta anos de dificuldades extremas. Desde o tempo de Moisés, quando o povo se queixava de tudo e lançava dúvida sobre as promessa de Deus, passando por todos os profetas, reis até os discípulos sempre houve anos de pouca fatura, alguém que se levantava para afirmar que era perda de tempo servir ao Pai e, que Deus não se importava com os seus servos.


O tempo passou, mas a nossa luta é a mesma. O mundo continua afirmando a mesma coisa: "é perda de tempo servir a Deus!" Aos olhos humanos é quase inacreditável que alguém decida não "curtir", não "aproveitar", não "experimentar".

O próprio Apóstolo Paulo afirmou: "Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos." Na verdade, o homem de Deus possui uma série de benefícios que o homem natural jamais entenderá nem possuirá.

Jesus prometeu uma série de coisa no versículo acima. Mas nada se compara a presença de Deus nos acompanhando pelo caminho. Isso como diz uma famosa propaganda: "não tem preço".

Vanilda Bordieri - A Pesca;


Postar um comentário