sexta-feira, 20 de abril de 2012

Dentre as muitas mentiras propagandeadas e papagaiadas pelos governantes, agora chega à luz essa da transparência

            TRANSPARÊNCIA: A NOVA MENTIRA
A palavra de ordem na mídia hoje é “transparência”, resultado do discurso ideológico hegemonizado pelo partido vermelhinho, ora no poder deste país que, segundo Lima Barreto, já no início do século 20 era “marasmado pela imbecilidade”. Dentre as muitas mentiras propagandeadas e papagaiadas pelos governantes, agora chega à luz essa da transparência. Pior: a presidente exige transparência, inclusive, do setor privado. Ou seja, o Brasil está se tornando insuportável para uma existência normal, pois as instituições públicas se acham no direito de desconstruir o sujeito cidadão, eleitor da camarilha do Congresso e do Poder Executivo. O Estado se insere em tudo, não deixa espaço para o cidadão viver em paz, com dignidade e segurança. Na outra via, quando o privado é quem exige do público transparência, este corre à imprensa para protestar e ao conivente Judiciário para processar.

Estamos no limiar da história de liberdade. Ouso me inserir nessa temática porque esse assunto faz parte de um dos capítulos de minha pesquisa acadêmica e, hoje, ao ouvir a presidente Dilma Rousseff discursar, confesso que senti ânsia. Em 1996, a filósofa belga Chantal Mouffe chamava a atenção para os perigos da transparência: “As relações de autoridade e de poder não podem desaparecer completamente e é importante abandonar o mito de uma sociedade transparente, reconciliada consigo mesma, porque esse tipo de fantasia conduz ao totalitarismo.” Uma coisa é o Estado ser transparente, outra é exigir transparência da sociedade como um todo, intrometendo-se na vida particular das pessoas. Quando o Estado pensa em regular a vida dos indivíduos, e ninguém protesta, corre-se o risco de gradativamente o perfil democrático ir desaparecendo e, com ele, todos os direitos conquistados ao longo de décadas, no caso do Brasil, e dos últimos 236 anos no contexto internacional.

Ao condicionar esse discurso presidencial e aceitá-lo como uma proposta viável, a imprensa comete suicídio em pequenas doses. Ao criticar as instituições públicas sem qualquer motivo, a imprensa solapa a democracia e a própria liberdade e sua missão enquanto instituição da sociedade. Não que a imprensa tenha de ser omissa em relação a suas obrigações como guardiã das liberdades e fiscal dos poderes públicos constituídos. Mas a constante destruição da imagem pública faz com que as pessoas comecem a questionar a escolha pelo regime democrático, pois se a democracia é um caldo de corruptos, aproveitadores, incompetentes, interesseiros, corre-se também o risco de a sociedade optar por outras vias, aumentando a hostilidade entre todos. A hostilidade que rechaça qualquer coisa que não seja partidária da democracia passa a repelir, conforme Mouffe, identidades “de natureza étnica, nacionalista ou religiosa”. Eu acrescento, ainda, identidades éticas e morais. Em suma: a democracia está sofrendo revisões de pseudointelectuais e muitos, de modo aloprado e inconsciente, aceitam fazer parte dessa perspectiva de mudanças político-ideológicas achando que contribuem decisivamente para um planeta melhor sob o ponto de vista humanista. Eis outro risco, o de muitos embarcarem nesse jogo político e apoiarem qualquer palavra de ordem que agrade os sentidos, porque satisfaz o ego, os prazeres e o bolso.

Quem somente pode exigir transparência na esfera pública? A Receita Federal, por uma questão lógica. A sociedade deve e tem o direito de continuar exigindo transparência dos poderes públicos. Todavia, a sociedade privada deve ser respeitada. O entendimento de transparência deve ser adaptado a cada experiência e situação particular. Nesse caso, a transparência não pode se transformar numa condição universal, pois se tornaria em significante vazio, com sentido único e destituído de todas as variantes possíveis. A transparência é uma característica de cada indivíduo e não pode se tornar uma ferramenta do Estado, senão teremos a emergência de um Grande Irmão de George Orwell como fundamento de um Estado policial.

(Ruben Holdorf é jornalista e professor universitário)
Fonte: Criacionismo
Postar um comentário